quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Betametasona

Senhoras e Senhores, Streptococcus pyogenes

A despeito de um título pouco convencional, inicio este post com um clichê clássico.
O corpo humano é uma máquina perfeita.
Perfeita e previsível.
Assim como um carro, coloque o combustível errado e as consequencias serão desastrosas. Tá bom, no nosso caso pode não ser tão desastroso, mas o carro tem o direito de morrer mais de uma vez.
Assim como o computador, se visitarmos locais perigosos estaremos expostos a vírus, vermes e outras ameaças. E o tratamento pode ser terrível em ambos os casos.

Como não tenho escritos neste mês de dezembro e não tenho vontade de açoitar-me por conta disto, aproveito este último dia do ano para delirar um pouco em companhia de meus amigos leitores. Delírios de uma mente febril. Sem trocadilhos/ironias/figuras de linguagem de poetas românticos ultrapassados.

De acordo com o meu horóscopo - Previsões 2008 - o mês de Dezembro fecharia "o ano com muita alegria e concretização das metas vividas". Estou doente, definitivamente nem um pouco feliz e sem sequer saber se vou conseguir me formar em 2011, conforme o previsto, pois corro perigo em uma quantidade assustadora de matérias. Pouparei vocês dos outros meses, para me poupar também de tão dolorosa leitura. Aliás, por curiosidade, li num jornal como seria meu ano de 2009. Não me lembro. Ainda bem.

Na verdade, 2008 foi um ano diferente. Meus pensamentos foram companhias que sempre estiveram comigo por esta estrada que eu carinhosamente chamo de vida. Me acompanhando e me atormentando. Me atormentando sim, pois minha mente é minha pior inimiga. Junto com as bactérias e o ácido acetilsalicílico. O AAS porque sou alérgico. Se vocês visitarem uma farmácia, verão que praticamente todos os remédios pra gripe, resfriado, tosse, dor na garganta e até mesmo antiácidos estomacais possuem o tal AAS, ou similares. Isso complica a minha vida de forma um tanto quanto notável. Bactérias são outras, que funcionam perfeitamente pra me causar males na garganta ou no ouvido, e são terrivelmente preguiçosas para fazer meu intestino funcionar como um reloginho, igual à propaganda (Minhas sinceras desculpas, esta foi absolutamente desnecessária, devia tê-los poupado). E minha mente... bom, quem me conhece e/ou lê este blog sabe porque minha mente é minha inimiga. Aliás, basta continuar a leitura e terão um maravilhoso aperitivo. Pois bem, enrolei e ainda não concluí. O ano de 2008 foi bastante diferente pois não tive muito tempo para que minha mente apresentasse suas dúvidas. Este foi um ano de muitas certezas, isso sim. Ou quase certezas, já que o Sr. Dúvida não pode mudar tão bruscamente assim.

Adendos:
1: "Meus pensamentos sempre estiveram comigo" talvez tenha sido a coisa mais redundantemente idiota que já escrevi em toda a minha existência.
2: Eu não chamo estrada nenhuma de vida, nem trato minha vida como uma estrada. Muito menos carinhosamente.
4: Ironias da vida. Ácido Acetilsalicílico funcionando como antiácido... vê se pode.
3: Alguém tem um paracetamol?

No ról de certezas, tenho certeza de que tenho amigos, e eles são mara. Os "novos" e os "velhos". Cada um com suas qualidades e defeitos. Tenho certeza também de que estou na profissão certa. Mesmo que um dia eu mude. Também estou certo de que não quero ter filhos. Não sei se suportaria ver miniaturas de mim, com alergia a poeira, comida e remédios, fazendo retrospectivas em blogs ao invés de passar o ano novo na praia. Faço isso também pelo bem da evolução. Meu DNA não é dos melhores. Outra certeza: Deus. Ou uma religião. Eu sempre disse que ser religioso ou ter fé não necessariamente implica ir a uma igreja. Logo eu não ia a igreja alguma. Minha opinião não mudou. Só descobri que ela não se aplica a mim. Eu preciso ir à igreja pra duvidar um pouco menos das coisas. Por fim, a última certeza: o Gato de Shrödinger. Quem vê The Big Bang Theory pode entender o que eu quis dizer. Ou não. Falando nisso, que seriado é esse? Perfeito!

Pra dar a este post algum sentido, arrisco-me a dizer que 2008 foi um ano legal. Tá bom, não foi um ano legal. Tá bom, foi péssimo, e não ajudou a dar um sentido a nada. Mas eu fui um pouco feliz, sim. Justamente por ter se tratado de um ano com poucas dúvidas e muitas certezas. Mesmo que muitas dessas certezas tenham sido desagradáveis, é melhor conviver com isso do que com um ponto de interrogação eterno. Que venham mais respostas para o ano que virá. Falando em ponto de interrogação, preciso saber se passei!!!!!

Ah, e era mentira. 36,9ºC não é febre hehehe. Foi puro ócio criativo da minha parte mesmo rs.

Este post é uma homenagem à grande substância e seus criadores, co-responsáveis pelo tratamento de cinco das cinco amigdalites que tive e de n das n crises alérgicas que se abateram sobre mim. Isso só em 2008. Inclusive as que me atingem desde o Natal.

Um ano de 2009 com muita saúde. E que no próximo dia 31 de dezembro tenhamos algo melhorzinho escrito nessas bandas.

5 comentários:

A Vilã disse...

Ai, Lerdinho. Melhoras o/

Gostei do post, apesar de que ia escrever uma agora ¬¬

A Pscicopata disse...

Eu adoro The Big Bang Theory *será que ninguém entende que o ramister da minha irma se chamava sheldon por causa desse seriado?* Mas ainda assim eu naum entendi Gato de Shrödinger acho que não vi esse episódio....

Anime-se , a tendencia é sempre melhorar!! * Eu espero* XD

jeff disse...

nha, que post nonsense!
mas esses são legais.

nem sei o que falar. feliz ano novo!

O Esquisito disse...

viajou na maionese!

queria ver esse tal de "big bang theory", mas ele passa num horario tão ruim (na hora do Jornal Nacional!)

aqui em casa o horário entre 20:15 e 22:30 é reservado pro JN + novela

~* preta disse...

céus, o gato!
episódio excelente e de muito proveito!

tava lendo, lendo, não-entendendo, lendo.. eis que surgiu o gato do sheldon [que até me deu uns ares de coragem] e rendeu mais um grande elogio à série!

"até abrir a caixa, não se sabe se o gato vive ou pereceu!"


*passa no dia seguinte na hora do almoço, Esquisito!


um bom ano a todos!