quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Merry Xmas

Ou... o post de A Suicida.

Notícia bombástica aos leitores do blog: somos oito, mas já fomos onze. Nos primórdios do ensino médio, grandes amizades se formaram, se sedimentaram ou se desfizeram. Em alguns casos foram devido a brigas, outros foram por causa de vidas que tomaram rumos diferentes. Em qualquer relação como essa, é grande a chance de que tudo tenha a duração de um pensamento. Mas como qualquer pensamento, é grande também a chance de que tudo fique marcado na memória, como prova de um tempo que pode ter deixado lembranças boas ou ruins. Nunca indiferentes. Pois amizade nenhuma fica só no mais ou menos. Àqueles que têm amigos, um Feliz Natal.

Tudo isso pra informar que o que vocês lerão abaixo são palavras de A Suicida que, junto com A Turista e O Autista, compõe a tríade que carrega consigo a exclusivíssima grife de Ex-Conspirados. Isso não é pouco, não. É prova de que, pelo menos pra nós, eles não são nem nunca serão qualquer coisa.

Bon apetit.


Estou em meu quarto, são 21:16 de uma noite pseudo-chuvosa de quinta-feira. Leio umas tirinhas engraçadas na internet, uns contos eróticos estilizados, ouço as novidades da crise pela televisão e bebo um vinho do qual não gosto, mas que é tão caro que sinto valer a pena degustar. Penso no futuro, em como as coisas serão, em como o mundo se enxergará. Reflito sobre como as pragas da humanidade são tão necessárias para a sobrevivência, gerando um paradoxo tão paradoxal que nem a palavra é capaz de suportar tamanha significação. Penso em como as pessoas se esforçam em fingir ser quem não são para atrair pessoas tão distantes, enquanto se esquecem das que estão bem próximas e que desejam sua companhia exatamente por ela ser aquilo que é. Penso em como as pessoas se envolvem com outras a fim de realizações que somente elas mesmo, através de self-reflection, podem alcançar. Percebo que perdemos muito tempo com pessoas que se dizem nossas amigas enquanto deixamos nossos amigos reais esquecidos em um canto, seja da agenda, do celular, do orkut..ou ainda, num canto da memória, tããão ocupada com coisas mais fúteis. Vejo pessoas se satisfazendo com a morte dos pobres, enquanto lamentam a pouca sorte dos ricos que, pobrezinhos, tem que abrir mão do cruzeiro tão sonhado e se contentar com uma viagem simples para o Hawaii. Penso em como me envolvi com pessoas fúteis, achando que queria ser como eles...e, realmente acreditando que, algum dia, poderia ser exatamente como eles. Mas, não. Felizmente não tenho vocação para idiota. Não sei fingir que não vejo estar sendo traída por minhas próprias escolhas. Mas não me ensinaram como fazer a diferença. E, nesse mundo tão preguiçoso, não sei se estou com saco, ou se dormi o suficiente para aguentar uma revolução. Eu poderia criar uma terceira guerra mundial, criar uma guerrinha de travesseiros, ou não fazer nada. Então, prefiro é continuar bebendo o meu vinho caro, e fingir que o mundo é tão bom e tão macio quanto a minha cama.

Conspiração feita por A Suicida.

5 comentários:

Jujuzita Castro disse...

até os ex-conspirados escrevem bem... posso ser conspirada tbm??? =D

bjoos

CHiP disse...

até os ex-conspirados escrevem bem... [2]

Nuss... que texto. Não sabia que A Suicida visitava o blog... ^^

A Suicida disse...

Hey, visito sim...fico aqui só observando, assim como o olho que tudo sabe, tudo vê. Ou, se vcs preferirem um palavreado mais vulgar, Voyeur..rsss
Adoro o blog e adorei poder participar =)
grande beijo!

O Lerdo disse...

Em defesa da Suicida, ela mandou dizer que sempre visita, só não costuma comentar...

Eu fico pensando sobre como a essência das pessoas se mantém. Texto muito bom, e facilmente reconhecível como seu ^^

A Suicida disse...

Isso foi um elogio? Se foi, não sei se soou como ^^